Monday, December 22, 2008

Bocage - Relatório e Contas (1889)

"Profundamente inquieto, Bocage percorre a sala de um lado ao outro infinitas vezes, sob o olhar atento do seu contabilista. De súbito, detém-se:
- E o Amor, Artur? - pergunta. - Onde está afinal o Amor?
Retirando uma folha da resma que tinha à secretária, o contabilista responde-lhe de pronto:

- Está aqui, Sr. Bocage: Existências, bens pereciveis.
O poeta volta a sentar-se.
- Claro, Artur. Bens perecíveis..."

4 comments:

Clara said...

Bem perecível, yet "bem". Não nos esqueçamos.

Post-It said...

Que seja eterno enquanto dura.

Fenix said...

Mas é óptimo enquanto dura!

Feliz Natal e Próspero Ano de 2009!

Abraço
Fenix

Devaneante said...

Passei por aqui para desejar uma óptima entrada em 2009, e para deixar votos de que este novo ano traga só coisas boas!